EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONSTRUINDO CIDADANIA
Importante:
Resultados
Organização da sociedade civil de interesse público, regida pela Lei Federal 9.790/99 e Decreto Federal 3.100/99, com personalidade jurídica, registrada sob o nº 0382134 e cadastrada no Ministéio da Fazenda sob o nº 04.087.226/0001-22, tem como objetivo a defesa do Meio Ambiente.
Imar - Instituto do Mar
Tempo de decomposição de materiais jogados nos rios, lagos, mangues e no mar
Ao ensino foi dada a incumbência de ser o agente de mudanças desejáveis na sociedade, e a ele se acoplaram as educações: sexual; antidroga; para o trânsito; para a saúde; higiene, AMBIENTAL e outras. Dentre elas, nenhuma tem um apelo tão premente e globalizador quanto a Educação Ambiental, mesmo porque, pela sua própria natureza integradora, permeia várias áreas, como a preservação do meio ambiente e seus aspectos socioculturais, econômicos, políticos, científicos, tecnológicos, ecológicos e éticos. A Constituição Federal, ao sagrar o Meio Ambiente ecologicamente equilibrado como um direito do cidadão estabelece vínculo entre qualidade ambiental e cidadania. Para garantir a efetividade desse direito, a Carta Magna determina como uma das obrigações do Poder Público à promoção da Educação Ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública. Existe hoje certa confusão conceitual, não só no que diz respeito ao ensino de ecologia e da Educação Ambiental, bem como no que se refere ao profissional da ecologia - ecólogo - e ao militante político – ecologista. Isto advém da forma de difusão na Mídia do termo “meio ambiente” que nos remete à Educação Ambiental. O termo meio ambiente está firmemente presente nos meios de comunicação de massa, no discurso dos políticos e dos ativistas verdes, nos livros didáticos, nas artes plásticas, na música, no cinema, no teatro entre outros. Atualmente a Educação Ambiental assume um caráter mais realista, buscando o equilíbrio entre o homem e o meio ambiente, visando à construção de um futuro pensado e vivido, numa lógica de progresso e desenvolvimento, por isso é urgente a mudança no comportamento em relação ao meio ambiente. A Educação Ambiental é um componente essencial e permanente do ensino nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não formal. Com essa diretriz, o sistema de ensino tem obrigação legal de promover oficialmente a pratica de Educação Ambiental (MEC, 2001, p15).
Aos internautas e patrocinadores: A sua participação neste período, possibilitou benefícios a mais de 100 famílias na aquisição e distribuição de cestas básicas O IMar, toda sua equipe e as famílilas beneficiadas se sentem felizes com sua participação Continuem ajudando Um forte abraço Equipe IMar
Nenhum funcionário ou representante do IMar, está autorizado a receber contribuições ou doações. Estes valores devem ser depositados diretamente na Conta do Instituto do Mar conforme descrito na página " Doação".
Caro internauta visitante, ficamos honrados com seu interesse. Ao optar por tornar-se um patrocinador, colaborador ou um afiliado, receberá em seu email todas as noticias, relatórios, projetos futuros, resultados de nossas ações e assuntos relevantes a nossa empreitada. Envie-nos suas sugestões, criticas e inclusive denúncias de agressão ao meio ambiente. Faça também seu cadastro de filiação e participe!
A Educação Ambiental tem como objetivo conscientizar os indivíduos e os grupos associados da necessidade da preservação do meio ambiente global e de problemas conexos sensibilizando-os. Isto significa que a Educação Ambiental deve procurar chamar a atenção para os problemas planetários que afetam a todos, pois a degeneração da camada de ozônio, o desmatamento desregrado, os “testes” das armas nucleares, o desaparecimento de culturas milenares entre outros, são questões aparentemente distantes da realidade dos alunos. A escola é o protótipo do espaço social e o local onde o aluno dará seqüência ao seu processo de socialização. O que nela se faz se diz e se valoriza representa o exemplo daquilo que a sociedade almeja e consente. Comportamentos ambientalmente corretos devem ser aprendidos na prática, no cotidiano da vida escolar, contribuindo para a formação de cidadãos responsáveis na comunidade onde vivem. Diante do processo da pratica efetiva da Educação Ambiental nas escolas, evidentemente, posicionamo-nos por um formato que não seja hierárquico, agressivo, competitivo ou exclusivista, que seja levado adiante fundamentado pela cooperação, participação e pela geração de autonomia dos envolvidos. Projetos impostos por pequenos grupos ou atividades isoladas, gerenciadas por apenas alguns indivíduos da comunidade escolar – como um projeto de coleta seletiva no qual a única participação dos discentes seja jogar o lixo em latões separados, envolvendo apenas um professor coordenador – não são capazes de produzir a mudança de mentalidade necessária para que a atitude de reduzir o consumo, reutilizar e reciclar resíduos sólidos se estabeleça e transcenda para além do ambiente escolar. Portanto, devem-se buscar alternativas que promovam uma contínua reflexão que culmine na metanóia (mudança de mentalidade); apenas dessa forma, conseguiremos programar, em nossas escolas, a verdadeira Educação Ambiental, com atividades e projetos não meramente ilustrativos, mas que resulte no anseio de toda a comunidade escolar em construir um futuro no qual possamos viver em um ambiente equilibrado, em harmonia com os outros seres vivos e nossos semelhantes. O professor precisa ter um adequado nível de conhecimento das estratégias didáticas e métodos de ensino que transformem um conteúdo complexo em algo compreensível e interessante para os estudantes e que promovam um desenvolvimento conceitual do conteúdo e das estruturas intelectuais do aluno ao mesmo tempo proporcionando o seu desenvolvimento integral no exercício prático da cidadania. A Educação Ambiental busca edificar a concordância de que precisamos viver em um mundo diferente, transformador, harmônico e justo. O trabalho do professor não deve se limitar ao puro raciocínio lógico e formal na transmissão de teor programático. O trabalho não precisa ser feito de forma rígida e normativa para ser levado a sério, ele pode ser feito por meio da prática de atividades que suscitem o interesse dos alunos. A educação ambiental não é imparcial, é ideológica. É um ato político, baseado em valores para a transformação social, deve abordar as questões globais críticas, suas causas e inter-relações em perspectiva sistêmica no seu contexto social e histórico. Aspectos primordiais relacionados ao desenvolvimento e ao meio ambiente tais como população, saúde, paz, direitos humanos, democracia, fome, degradação da flora e fauna devem ser abordados nesse estilo. É desejável que a comunidade escolar possa refletir conjuntamente sobre o trabalho com o meio ambiente, sobre o alvo que se pretende atingir e o papel de cada individuo nessa tarefa. O convívio escolar é decisivo na aprendizagem de valores sociais e o ambiente escolar é o espaço de atualização mais imediato para os alunos. A educação ambiental ressalta as regularidades, e busca manter o respeito pelos diferentes ecossistemas e culturas no planeta. O dever de reconhecer as semelhanças globais que se interagem efetivamente com as especificidades locais. Pensar globalmente, agir localmente. A chave para o desenvolvimento é a participação, a organização, a educação e o fortalecimento das pessoas. O desenvolvimento sustentável não é centrado na produção e sim nas pessoas. Deve ser apropriado não só aos recursos e ao meio ambiente, mas também à cultura, história e sistemas sociais do local onde ele ocorre.
Propriedade do Instituto do Mar - IMar - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por: MNGL On-Line
Doação Colaborar LojaMelhor se visualizado em resolução de tela em 1024x768 ou superior
Contato Quem somos Patrocínio ProjetosBem Vindo a Bordo
Instituto do Mar
Inicio